Pedido

"Aproveitemos o tempo para santificação nossa e dos nossos parentes e amigos. Solicitam orações, que estaremos rezando juntos, em união de orações aos Sagrados Corações."

Oração de um pecador arrependido à sua doce Mãe Celeste.

Como não se comover com essas palavras tão piedosas e sinceras que brotam de um coração arrependido? Como não se apropriar delas para repeti-las, de joelho, a essa Mãe tão terna e tão misericordiosa, porque é a Mãe da Misericórdia?!?!?!


* * *


EIS-ME AOS VOSSOS PÉS, Ó MINHA MÃE!





Eis, ó poderosa Mãe de Deus, eis aos vossos pés um traidor, um pérfido, um ingrato. Ele é o bárbaro que fez jorrar debaixo de vossos olhos o sangue de vosso Filho inocente. O infiel que teve a coragem de abandonar-vos. O escravo fugitivo e rebelde. Ei-lo enfim, ei-lo de volta. Ele está diante de vós. Que ocasião mais favorável podes esperar para vos vingar? Ele está em vossas mãos, é hora de lhe fazer sentir o rigor merecido de vossa justa cólera.

Podeis perdê-lo, podeis castigá-lo, podeis até aniquilá-lo se o quiserdes. Expulsá-lo, repeli-lo, isso é muito pouco. Ao invés, faças estourar sobre ele o raio de vossa indignação, tire do mundo um monstro sem semelhante sobre a terra, condene-o, ele o merece, a esta prisão, eterna morada da morte e do horror.

Porém insensato, o que digo? Em vós (há) rigor! Em vós (há) vingança! É este então o emprego que Deus vos deu? É este o ministério ao qual fostes destinada? Contudo seria então falso o que a Igreja universal tem repetido de século em século, que sois a Advogada e o Refúgio dos miseráveis? Seria então falso o que os Pais da verdade pregam altivamente? Seria então falso que sois a Mediadora da paz entre Deus e os homens, a Esperança dos desesperados, o Asilo dos pecadores, a onipotente Reconciliadora dos infelizes filhos de um pai culpado?

Ouças, grande Rainha: esse monstro de infidelidade, esse traidor, esse ingrato que vos ultrajou tão cruelmente, ah!, esse ingrato indignado, sou eu, e apesar de tudo isso sou vosso filho: vosso filho, concebeste-me no momento afortunado onde consentistes na encarnação do Verbo eterno. Vosso filho, engendraste-me nas angústias, ao pé da cruz. Ah! Minha terna, minha amável Mãe, se, para justificar vossa ira, recordas-me minhas perfídias, eu, para justificar meus pedidos, vos recordo o Calvário.

É aí, sobre essa montanha adorável, que foi paga a dívida imensa de minhas iniquidades. É aí que foi rasgado o registro de minhas obrigações. É aí que foi apagada a fatal sentença de morte já publicada contra mim. É aí que foi apertado o nó da paz e da aliança entre o céu e a terra. É aí, enfim, que foi lacrado pelo sangue do Homem-Deus o grande testamento de reconciliação e de graça, que me deu direito à herança de meu irmão primogênito. E vós, sim, vós mesma fostes a cooperadora dessa grande obra, única digna de um Deus.

Mas se lembranças tão ternas e tão vivas não podem despertar em vós a compaixão por um infeliz, sejas ao menos tocada pelas últimas palavra de vosso Filho sobre a cruz. Sim, ele, ó minha mãe, sim, ele próprio, após trinta anos de cansaços, após ter bebido até o fim o amargo cálice de minhas iniquidades, apresentadas desde então ao seu pensamento, tomando meu lugar por um excesso inaudito de caridade, me deu a vós por filho, e vos deu a mim por mãe.

Esse ato solene de sua vontade, ao qual ele quis que estivesses presente, a fim de vos declarar publicamente, diante do universo inteiro, executora de suas disposições, esse ato foi a única lembrança que ele vos deixou por escrito em seu grande testamento. Este também foi o emprego que ele teve por bem vos destinar, e que aceitastes de bom grado. Como, portanto, continuas inflexível a esse traço de caridade sem precedentes? Como vos recusas a cumprir a honorável função que vos foi dada?

Ó minha Mãe, tende piedade do mais miserável dos pecadores. Ele custou o sangue e a morte de vosso Filho, e esse sangue e esta morte serão completamente perdidos por mim quando eu me perder. E eu perderia certamente se não me ajudastes. Conceda-me então vossa proteção, vosso apoio, vosso socorro, e minha salvação está assegurada, e compensarei por louvores eternos todas as minhas ingratidões passadas.

Peço muito, eu o sei, eu o vejo. Acaso isso custará muito ao vosso coração? Acaso a imensa misericórdia cuja necessito invadirá, ofenderá os imprescritíveis direitos da justiça? Pelo contrário. Tomo como penhor disso o ilustre Crisólogo. Sua palavra me encoraja e me reanima.

As virtudes, diz ele, têm isso em comum, que elas se ligam umas às outras, de modo que se isolardes uma, uma única, destruireis todas as demais. Portanto, se a justiça e a misericórdia são duas virtudes distinta, elas são irmãs, e é de sua natureza serem inseparáveis. É por isso que no próprio Deus, fonte eterna de todas as verdadeiras virtudes, a misericórdia não existe sem a justiça, nem a justiça sem a misericórdia.

Logo, conclui esse grande doutor, uma equidade sem bondade degenera em rigor, e uma justiça sem misericórdia torna-se crueldade. Quereis, augusta Virgem, quereis ser rigorosa e cruel comigo? E quando o quereis, o podereis? Tereis a coragem disso?

DE CONCILIIS, Louis-Marie. Marie, étoile de la mer. Tradução de Robson Carvalho. 2ª ed. Paris, Gaume Frères et J. Duprey, 1873.

Visto em: http://catolicosribeiraopreto.com/eis-me-aos-vossos-pes-o-minha-mae.

+
Informe aqui seu e-mail para receber as publicações do Thesaurus Precum: Delivered by FeedBurner

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ladainha de Nossa Senhora ou de Loreto

Orações Jaculatórias

Os benefícios de rezar pelas Almas do Purgatório

Mãe do Salvador, rogai por nós!

Mãe do Salvador, rogai por nós!
Clique e reze o Terço

Vale a pena ler

Vale a pena ver...