Marcadores

Pedido

"Aproveitemos o tempo para santificação nossa e dos nossos parentes e amigos. Solicitam orações, que estaremos rezando juntos, em união de orações aos Sagrados Corações."

Novidades!

Mês do Sagrado Coração de Jesus – DIA 2




 

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

(7 anos e 7 quarentenas de indulgência cada dia e uma in­dulgência plenária no fim.)


ORDEM DO EXERCÍCIO COTIDIANO


Invocação do Espírito Santo

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fieis e acendei neles o fogo do vosso amor.

V. — Enviai o vosso Espírito e tudo será criado.
R. — E renovareis a face da terra.

ORAÇÃO
Deus, que esclarecestes os corações de vossos fieis com as luzes do Espírito Santo, concedei-nos, por esse mesmo Espírito, co­nhecer e amar o bem e gozar sempre de suas divinas consolações. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.

Oração preparatória
(100 dias de indulgência — Leão XIII, indulto de 10 de dezembro de 1885).
 
Senhor Jesus Cristo, unindo-me à di­vina intenção com que na terra pelo vosso Coração Sacratíssimo rendestes louvores a Deus e ainda agora os rendeis de contínuo e em todo o mundo no Santíssimo Sacramento da Eucaristia até a consumação dos sé­culos, eu vos ofereço por este dia inteiro, sem exceção de um instante, à imitação do Sagrado Coração da Bem aventurada Maria sempre Virgem Imaculada, todas as minhas intenções e pensamentos, todos os meus afe­tos e desejos, todas as minhas obras e pa­lavras. Amém.

Lê-se a intenção própria do dia, recitando em sua con­formidade um Pai Nosso, Ave Maria e Glória, e a jaculatória: Coração de Jesus, que tanto nos amais, fazei que vos amemos cada dia mais.

Em seguida, a Meditação correspondente ao dia e, depois, a Ladainha do Sagrado Coração.


 
LADAINHA DO SAGRADO CORAÇÃO
 Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Deus Pai dos céus, tende piedade de nós.
Deus Filho, Redentor do mundo, tende pie­dade de nós.
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, Filho do Pai Eterno, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, formado pelo Espirito Santo no seio da Virgem Mãe, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, unido substancialmente ao Verbo de Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, de majestade infinita, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, templo santo de Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, tabernáculo do Altíssimo, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, casa de Deus e porta do céu, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fornalha ardente de ca­ridade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, receptáculo de justiça e amor, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, abismo de todas as vir­tudes, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, digníssimo de todo o louvor, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, rei e centro de todos os corações, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual estão todos os tesouros da sabedoria e ciência, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual habita toda a ple­nitude da divindade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual o Pai celeste põe as suas complacências, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, de cuja plenitude nós todos participamos, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, desejo das colinas eternas, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, paciente e misericordioso, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, rico para todos os que vos invocam, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fonte de vida e santidade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, propiciação para os nossos pecados, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, saturado de opróbios, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, atribulado por causa de nossos crimes, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, feito obediente até a morte, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, atravessado pela lança, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fonte de toda a conso­lação, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, nossa vida e ressurreição, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, nossa paz e reconciliação, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, vítima dos pecadores, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, salvação dos que em vós esperam, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, esperança dos que em vós expiram, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, delícia de todos os Santos, tende piedade de nós.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

V. — Jesus, manso e humilde de coração,
R. — Fazei o nosso coração semelhante ao vosso.

ORAÇÃO
Onipotente e sempiterno Deus, olhai para o Coração de vosso diletíssimo Filho e para os louvores e satisfações que ele vos tributa em nome dos pecadores, e àqueles que invocam vossa misericórdia, concedei benigno o perdão, em nome do mesmo Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina juntamente com o Espírito Santo por todos os séculos dos séculos. Amém.

Para concluir, a seguinte fórmula de consagração 
 
Recebei, Senhor, minha liberdade in­teira. Aceitai a memória, a inteligência e a vontade do vosso servo. Tudo o que tenho ou possuo, vós mo concedestes, e eu vo-lo restituo e entrego inteiramente à vossa von­tade para que o empregueis. Dai-me só vosso amor e vossa graça, e serei bastante rico e nada mais vos solicitarei.

(300 dias de indulgência. Leão XIII, Decreto de 28 de maio de 1887).

Doce Coração de Jesus, sede meu amor.
(300 dias — Pio IX).

Doce Coração de Maria, sede a minha salvação.
(300 dias — Pio IX).
 

MEDITAÇÕES

 

sacredheart4

- I -
Os terníssimos afetos do Coração de Jesus
 
image

 SEGUNDO DIA




Oremos pelas almas que estão em pecado e não pen­sam em se confessar. Pai Nosso, Ave Maria, Glória e a jaculatória: “Coração de Jesus, que tanto nos amais, fazei que vos amemos cada dia mais”.

Jesus e Lázaro

De pé, junto do túmulo do amigo, Jesus está chorando… Ó Jesus, muito amor tendes vós aos vossos amigos! Quanto me enternecem as vossas lágrimas! como de­monstram a ternura do vosso piedosíssimo Coração! Elas suscitam em mim uma recor­dação que me punge e ao mesmo tempo me comove: a daqueles dias em que, morta a minha alma à graça, ainda corríeis a vê-la e choráveis sua sorte…O meu Anjo da Guarda, testemunha de vossas lágrimas, di­zia, lembrando a observação dos judeus: “Como Jesus ama esta alma!” Agradeço-vos, meu Deus, a vossa imensa bondade! Lázaro seguiu-vos…do mesmo modo quero que todas as faculdades de minha alma, que todo o meu ser sejam empregados em vosso serviço para começar já hoje.

“Serei fiel em cumprir os meus deveres para agradar a Deus”.

EXEMPLO

Em Lião, refere o Pe. Trouiller em 1893, um chefe de família, arredio das práticas religiosas desde muitos anos, achava.se gravemente enfermo. Atacado como fora de uma apoplexia, propôs-lhe um dos parentes que aceitasse a visita de um padre. Irritado, respondeu que não. Repetindo-se o ataque, um amigo esforçou-se por trazê-lo a melhor resolução: retorquiu, vivamente, que não lhe falasse mais no assunto, sob pena de briga­rem. Entretanto, os progressos do mal eram rápidos, e o perigo iminente. A família, então, angustiada, recorreu ao Coração de Jesus, refúgio dos pecadores e abismo de misericórdia.

O enfermo acabava de sofrer terceiro ataque. Deram-lhe um escapulário do Sagrado Coração, que tocara em Paray uma das mais preciosas relíquias de S. Margarida Maria, e uma pessoa que o doente prezava teve a ins­piração de trazer a vê-lo um sacerdote que ele conhecia e estimava. Com surpresa de todos, a visita foi logo aceita; e, depois de longa conferência, o Padre retira­va-se, declarando que seu penitente podia receber os últimos sacramentos.

No dia seguinte, (uma quinta-feira santa), a zelosa senhora que oferecera o precioso escapulário, voltando a visitar o remisso, encontrou-o sentado numa poltrona, tendo nas mãos um livro de orações que recitava devotamente. Uma. bem ornada mesa esperava a Sagrada Eu­caristia que, dentro de poucos instantes, viria encher de graças a alma do pobre pecador. E, com a saúde espi­ritual, o Coração de Jesus restituiu-lhe a saúde do corpo.


 image

CONSAGRAÇÃO AO CORAÇÃO DE JESUS


Sim, Jesus, eu vos prometo recitar, to­dos os dias, uma oração ao vosso Sagrado Coração; prometo-vos venerar as piedosas imagens que o representarem à minha devo­ção; prometo-vos espalhar o conhecimento desta devoção e propagá-la.

Sede a minha fortaleza, a minha ale­gria, a minha felicidade!

“Farei um ato de consagração ao Coração de Jesus”.

Ao Coração adorável de Jesus dou e consagro o meu corpo e a minha alma, a mi­nha vida, os meus pensamentos, palavras, ações, dores e sofrimentos. Não me torna­rei a servir de parte alguma do meu ser, que não seja para o amar, honrar e glorificar.

Tomo-vos, pois, ó divino Coração, por objeto do meu amor, protetor da minha vida, âncora da minha salvação, remédio das minhas inconstâncias, reparador dos meus defeitos, e seguro asilo na hora da morte.

Ó Coração cheio de bondade, sede a minha justificação para com Deus, e apartai de mim a sua justa cólera.

Ponho em vós toda a minha confiança, porquanto receio tudo de minha fraqueza, como tudo espero de vossa bondade. Ani­quilai em mim tudo o que vos possa desa­gradar e resistir; imprimi-vos em meu coração, como um selo sagrado, para que jamais me possa esquecer de vós, e de vós ser se­parado. Isto vos peço por vossa infinita bon­dade: que o meu nome se inscreva em vós, que sois o livro da vida, e que façais de mim uma vítima consagrada inteiramente à vossa glória; que desde este momento seja eu abrasado e um dia inteiramente consumido pelas chamas do vosso amor; nisto consiste a minha dita, não tendo outra ambição se­não a de morrer em vós e por vós.

Assim seja.


DIA 2

S. Francisco de Assis, o cavaleiro ele­gante que mesmo nos folguedos de sua mocidade nunca se maculou e teve sempre sua bolsa desatada para o socorro dos pobres, depois que de todo se converteu, não foi simplesmente, como ele anunciava aos ban­didos que o assaltaram na estrada, “o arauto do Grande Rei”, nem tão somente o amoroso trovador que convidava toda a natu­reza a acompanhá-lo em seus hinos ao Cria­dor; ele foi uma cópia viva do Coração de Jesus. “Num dia de São Francisco refere Sta. Margarida Maria — Nosso Senhor me fez ver este grande Santo revestido de uma luz e esplendor incompreensíveis, elevado a um grau eminente de glória acima dos ou­tros Santos, por causa da conformidade que teve com a vida de sofrimento do Nosso Di­vino Salvador e o amor que dedicara à sua santa Paixão, pelo qual se levará a imprimir nele suas santas chagas: isso o fizera um dos maiores favoritos do Sagrado Coração, que lhe deu grande poder para alcançar a aplicação eficaz do seu precioso Sangue, constituindo-o como que um distribuidor desse tesouro para apaziguar a divina jus­tiça… Ele é como que uma imagem sua, unida à de seu Filho crucificado… Em seu favor, o rigor da justiça abranda e cede lugar a clemência da misericórdia, particularmente em socorro dos Religiosos que declinaram da sua regularidade. Depois de me ter feito ver estas coisas, o Divino Esposo de minha alma deu-mo por condutor, para me guiar nas penas de sofrimentos que me sobrevieram”. Eis porque o Seráfico Patriarca é tão glorificado: por seus traços de semelhança com o Salvador. Fr. Bartolomeu de Pisa escre­veu um precioso livro sobre as “Conformidades da vida do bem-aventurado Francisco com a de Jesus Cristo”. Os escritores ascé­ticos, todos eles as têm assinalado, e muitas delas são notórias e como que palpáveis. Jesus nasceu à meia-noite sobre as palhas de um estábulo, e Francisco também veio ao mundo num estábulo onde sua mãe, prolongando-se-lhe as dores do parto, recolheu-se a conselho de misterioso peregrino para dar a luz. Jesus renuncia ao lar para sair à pregação, podendo dizer nesses dias que não tem onde recline a cabeça: Francisco abraça, pelo Evangelho, a mais austera pobreza e a vai pregar, descalço, de grosseira túnica e rude cordão à cinta, esmolando o sustento. Como Jesus, ele cerca-se de doze discípulos, dos quais um o trai e se enforca. Como Jesus. Francisco passa quarenta dias num ermo sem se alimentar e ambos pregam de uma barca que de si própria se afasta da costa e fica imóvel. Uma vez, falando sobre sua Paixão, como Pedro soltasse exclamação a conjurá-la, o Cristo repreendeu-o severo como a um tentador; também Francisco, um dia, torturado de dores, porque um de seus irmãos estranhasse não lhe diminuir Deus o sofrimento, ele atirou-se do leito ao chão para que mais doesse o corpo e advertiu o companheiro que não fosse blasfemo. A se­melhança entre os dois foi tal, que até a in­crédulos e ímpios, como Renan, impressionou e se fez sentir e notar; porém o que mais os assemelhou e uniu foi a visão inefável do Alverne, em que as chagas de Cristo, os cravos que lhe transpassaram a Carne sacratíssima e o golpe da lança que lhe abriu o Lado, como que passaram realmente para o corpo do santo Patriarca, e ele se transfigurou num crucifixo vivo e ambulante, vivendo já, por assim dizer, e padecendo em Francisco o próprio Cristo, segundo a frase de S. Paulo. 


Mês do Sagrado Coração de Jesus. Mons. Dr. José Basílio Pereira. Editora Mensageiro da Fé. Fortaleza. 1962. Fonte.    

Postagens mais visitadas deste blog

Ladainha de Nossa Senhora ou de Loreto

Os benefícios de rezar pelas Almas do Purgatório

Orações Jaculatórias

Mãe do Salvador, rogai por nós!

Mãe do Salvador, rogai por nós!
Clique e reze o Terço

Vale a pena ler

Vale a pena ver...