Pular para o conteúdo principal

Loja da Editora Missões Cristo Rei, clique e confira!

Pedido

"Aproveitemos o tempo para santificação nossa e dos nossos parentes e amigos. Solicitam orações, que estaremos rezando juntos, em união de orações aos Sagrados Corações."

Mês do Sagrado Coração de Jesus – DIA 20




 

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

(7 anos e 7 quarentenas de indulgência cada dia e uma in­dulgência plenária no fim.)

ORDEM DO EXERCÍCIO COTIDIANO


Invocação do Espírito Santo

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fieis e acendei neles o fogo do vosso amor.

V. — Enviai o vosso Espírito e tudo será criado.
R. — E renovareis a face da terra.

ORAÇÃO
Deus, que esclarecestes os corações de vossos fieis com as luzes do Espírito Santo, concedei-nos, por esse mesmo Espírito, co­nhecer e amar o bem e gozar sempre de suas divinas consolações. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.

Oração preparatória
(100 dias de indulgência — Leão XIII, indulto de 10 de dezembro de 1885).
 
Senhor Jesus Cristo, unindo-me à di­vina intenção com que na terra pelo vosso Coração Sacratíssimo rendestes louvores a Deus e ainda agora os rendeis de contínuo e em todo o mundo no Santíssimo Sacramento da Eucaristia até a consumação dos sé­culos, eu vos ofereço por este dia inteiro, sem exceção de um instante, à imitação do Sagrado Coração da Bem aventurada Maria sempre Virgem Imaculada, todas as minhas intenções e pensamentos, todos os meus afe­tos e desejos, todas as minhas obras e pa­lavras. Amém.

Lê-se a intenção própria do dia, recitando em sua con­formidade um Pai Nosso, Ave Maria e Glória, e a jaculatória: Coração de Jesus, que tanto nos amais, fazei que vos amemos cada dia mais.

Em seguida, a Meditação correspondente ao dia e, depois, a Ladainha do Sagrado Coração.


 
LADAINHA DO SAGRADO CORAÇÃO
 Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.
Deus Pai dos céus, tende piedade de nós.
Deus Filho, Redentor do mundo, tende pie­dade de nós.
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, Filho do Pai Eterno, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, formado pelo Espirito Santo no seio da Virgem Mãe, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, unido substancialmente ao Verbo de Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, de majestade infinita, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, templo santo de Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, tabernáculo do Altíssimo, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, casa de Deus e porta do céu, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fornalha ardente de ca­ridade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, receptáculo de justiça e amor, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, abismo de todas as vir­tudes, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, digníssimo de todo o louvor, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, rei e centro de todos os corações, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual estão todos os tesouros da sabedoria e ciência, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual habita toda a ple­nitude da divindade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual o Pai celeste põe as suas complacências, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, de cuja plenitude nós todos participamos, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, desejo das colinas eternas, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, paciente e misericordioso, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, rico para todos os que vos invocam, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fonte de vida e santidade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, propiciação para os nossos pecados, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, saturado de opróbios, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, atribulado por causa de nossos crimes, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, feito obediente até a morte, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, atravessado pela lança, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fonte de toda a conso­lação, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, nossa vida e ressurreição, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, nossa paz e reconciliação, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, vítima dos pecadores, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, salvação dos que em vós esperam, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, esperança dos que em vós expiram, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, delícia de todos os Santos, tende piedade de nós.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

V. — Jesus, manso e humilde de coração,
R. — Fazei o nosso coração semelhante ao vosso.

ORAÇÃO
Onipotente e sempiterno Deus, olhai para o Coração de vosso diletíssimo Filho e para os louvores e satisfações que ele vos tributa em nome dos pecadores, e àqueles que invocam vossa misericórdia, concedei benigno o perdão, em nome do mesmo Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina juntamente com o Espírito Santo por todos os séculos dos séculos. Amém.

Para concluir, a seguinte fórmula de consagração 
 
Recebei, Senhor, minha liberdade in­teira. Aceitai a memória, a inteligência e a vontade do vosso servo. Tudo o que tenho ou possuo, vós mo concedestes, e eu vo-lo restituo e entrego inteiramente à vossa von­tade para que o empregueis. Dai-me só vosso amor e vossa graça, e serei bastante rico e nada mais vos solicitarei.

(300 dias de indulgência. Leão XIII, Decreto de 28 de maio de 1887).

Doce Coração de Jesus, sede meu amor.
(300 dias — Pio IX).

Doce Coração de Maria, sede a minha salvação.
(300 dias — Pio IX).
 

MEDITAÇÕES

 

sacredheart4

— III —

Os espinhos do Coração de Jesus
 
 
image

VIGÉSIMO DIA

Oremos pelas almas que resistem à graça. Pai Nosso, Ave Maria, Glória e a jaculatória: “Coração de Jesus, que tanto nos amais, fazei que vos amemos cada dia mais”.
O 1º espinho do Coração de Jesus são as
almas que, voluntariamente, permanecem
em estado de pecado mortal

A alma inocente é morada de Deus, e pela sagrada Comunhão torna-se a habitação particular de Jesus Cristo… aí Jesus Cristo está “em casa”, e encontra suas delícias; aí quer ficar… Ora cometer um pecado mor­tal, conservá-lo voluntariamente, é admitir o demônio dentro d’alma, constituí-lo Senhor no lugar de Jesus que sai então expulso, ignominiosamente…

Pobre Jesus! Fica ele então à porta da alma pecadora; bate a essa porta que lhe cerraram, pede para entrar e ouve um es­pantoso grito dos Judeus: “Não! não! não é a vós que eu quero, mas ao meu pecado!” — Oh! se vos julgais em estado de pecado mortal, ide, ide já confessar-vos.

“Uma oração pelos pecadores”.

EXEMPLO

A piedade, como diz a Sagrada Escritura, é útil a tudo. Isto se vê até no êxito admirável de tantas pe­quenas indústrias que o amor de Deus sugere aos seus servos para fazerem o bem e lhe ganharem as almas. Em 1891, na escola católica da Ilha de Tine, do arqui­pélago grego, foi colocado sob a imagem de Nosso Senhor um coração “cheio de espinhos”, tendo o di­reito de cada tarde, no mês de junho, tirar desse co­ração um espinho o aluno que houvesse procedido me­lhor; tal foi a porfia entre eles por uma conduta exem­plar que tornou um espetáculo de edificação à escola, podendo dizer-se que o Sagrado Coração era aí, todo o dia, coberto das mais belas flores d’alma por aquela piedosa turba infantil.

O colégio congreganista de Negapatan, no Indostão, em 1869, instituía a prática seguinte: no começo do mês, cada aluno traçava numa folha de papel tantas linhas perpendiculares quantos os dias do mês e à mar­gem de uma série de linhas horizontais, registrava as espécies de boas obras que se poderiam aplicar, escre­vendo no fim de cada dia, na coluna e lugar corres­pondentes, o número dos atos de virtude que praticara. Ao fim de um mês, entregavam-se todas as listas ao Diretor do Apostolado da Oração, sem nenhuma indica­ção nominal, para que só de Deus fosse conhecido o esforço e mérito de cada um; e o Diretor, somando o resultado em relação a cada espécie de boas obras, na conferência mensal publicava o balanço do “Tesouro do Coração de Jesus”.

O Pe. Eraud, noticiando o fato, considera-o a causa principal dos progressos que na instrução e na vida cristã fazem os alunos dos estabelecimentos, alguns dos quais ainda recentemente se haviam distinguido em difíceis provas a que se submeteram na universidade de Madras.
  

 image

CONSAGRAÇÃO AO CORAÇÃO DE JESUS


Sim, Jesus, eu vos prometo recitar, to­dos os dias, uma oração ao vosso Sagrado Coração; prometo-vos venerar as piedosas imagens que o representarem à minha devo­ção; prometo-vos espalhar o conhecimento desta devoção e propagá-la.

Sede a minha fortaleza, a minha ale­gria, a minha felicidade!

“Farei um ato de consagração ao Coração de Jesus”.

Ao Coração adorável de Jesus dou e consagro o meu corpo e a minha alma, a mi­nha vida, os meus pensamentos, palavras, ações, dores e sofrimentos. Não me torna­rei a servir de parte alguma do meu ser, que não seja para o amar, honrar e glorificar.

Tomo-vos, pois, ó divino Coração, por objeto do meu amor, protetor da minha vida, âncora da minha salvação, remédio das minhas inconstâncias, reparador dos meus defeitos, e seguro asilo na hora da morte.

Ó Coração cheio de bondade, sede a minha justificação para com Deus, e apartai de mim a sua justa cólera.

Ponho em vós toda a minha confiança, porquanto receio tudo de minha fraqueza, como tudo espero de vossa bondade. Ani­quilai em mim tudo o que vos possa desa­gradar e resistir; imprimi-vos em meu coração, como um selo sagrado, para que jamais me possa esquecer de vós, e de vós ser se­parado. Isto vos peço por vossa infinita bon­dade: que o meu nome se inscreva em vós, que sois o livro da vida, e que façais de mim uma vítima consagrada inteiramente à vossa glória; que desde este momento seja eu abrasado e um dia inteiramente consumido pelas chamas do vosso amor; nisto consiste a minha dita, não tendo outra ambição se­não a de morrer em vós e por vós.

Assim seja.

DIA 20

Garcia Moreno, o heroico presidente da República do Equador, desde menino reve­lou um talento não comum e adquiriu uma vontade enérgica e firme. Cedo a pobreza se assentou em seu lar, sendo preciso que sua própria mãe ministrasse ao órfão o en­sino primário. Passou depois a estudar hu­manidades com um sábio Religioso da Or­dem de Nossa Senhora das Mercês, que se afeiçoou vivamente ao discípulo, por sua constante aplicação e a facilidade e rapidez, com que tudo aprendia. Acabado este tirocínio, o jovem resolveu, ainda através de todas as privações, ir cursar a Universidade, e também nesta circunstância lhe valeu o Re­ligioso, recomendando-o a duas irmãs suas residentes em Quito, que, embora pobres, o acolheram. Aí entregou-se com ardor aos estudos, que estendia até a noite alta e rea­tava, madrugando; mas em compensação dos labores conquistava o primeiro lugar nas aulas e se fazia querido e respeitado por mestres e condiscípulos. Aos vinte anos, os salões de Quito abriam-se ao pobre que tanto se distinguia, e ele se deixou seduzir um momento pelas festas do mundo, mas logo reagiu, e, cortando rente os cabelos como se fora um monge, orou e disse, levantando-se: “A vida é muito curta para se gastar sequer um dia em futilidades. Agora, serei mais fiel a meus livros”. Pensou então em abraçar o sacerdócio, e chegou a receber a tonsura e ordens menores, mas ou por sua sede insa­ciável de saber, que parece querer lançar-se a tudo, ou por desígnios da Providência que traçavam outros combates, diplomou-se em direito, dando-se primeiro à advocacia, que abandonou pelo desgosto de ter defendido uma causa que conheceu mais tarde ser in­justa. Com um sábio estrangeiro, expondo por vezes a vida, fez cuidadosas explorações do grande vulcão de Quito, das quais apresentou substanciosas memórias que as revistas científicas publicaram. Assentou por fim a sua tenda no jornalismo e na carreira po­lítica, votando-se à obra da restauração dos princípios cristãos nas instituições públicas de seu país. Nessa campanha, vibrou a sua brilhante “Defesa dos jesuítas”, demons­trando que a perseguição a esses Padres em Nova Granada, no Equador, em todo o mundo, tinha por alvo a própria fé e o bem que eles faziam; concluía assim: “Chamar-me-ão fanático, porque empreguei meu tempo em traçar esta defesa, mas isto pouco me importa. Sou católico e me ufano de o ser, conquanto não me conte como um dos mais fervorosos. Cristão e patriota, não me posso calar sobre uma questão que afeta no mais alto grau a religião e a pátria”. Mas, se na verdade esqueceu por algum tempo certos deveres de cristão, sua consciência despertou, diligente e humilde, quando in­terrogada. Um dia, em Paris, onde Moreno se abrigara contra as graves ameaças dos que dominavam no Equador, defenderam em sua presença o ato de um infeliz que à hora da morte recusara os sacramentos; ele reba­teu, fazendo ver que, se o esquecimento do dever religioso, no curso da vida, pode quiçá escusar-se pela irreflexão humana e multi­plicidade de negócios que desafiam a aten­ção, à hora da morte, em que se decidem os interesses eternos, o desprezo da religião é uma coisa monstruosa; e dissertou calorosa e brilhantemente sobre a sublimidade da fé. O contendor, não podendo retorquir vanta­josamente, achou esta saída: “Mas, vós mesmo vos descuidais de praticar a bela re­ligião que pregais; desde quando não vos confessais?” Garcia Moreno curva a cabeça um instante, e, erguendo-a logo, exclamou: “Obrigado, amigo, respondestes com um ar­gumento pessoal, que vos pode parecer hoje excelente, mas que amanhã nada valerá;” e no mesmo dia confessava-se, reatando na manhã seguinte a prática regular e fiel de seus deveres cristãos. Eleito reitor da Uni­versidade pelo corpo docente, voltou a dar combate aos abusos do poder, ganhando tanto a confiança dos seus concidadãos, que lhe deram o voto sucessivamente para os mais altos cargos e na convenção nacional de 1861 o elegeram Presidente da República. Viu-se então restabelecida no país a ordem; o ensino cristão propagou-se, recebendo o concurso das instruções religiosas da Europa mais altos cargos e na convenção nacional de asilos e hospitais; e celebrou-se a con­cordata com a Santa Sé, dando ação livre à Igreja em seu ministério. Garcia tinha sobre sua mesa de trabalho, como a inspirá-lo e guardá-lo, uma imagem do Sagrado Cora­ção. Completo o quadriênio do governo, dei­xava-o por entre ovações do povo que em 1869 o reconduzia à presidência. Neste se­gundo período presidencial obteve que o Congresso reformasse a Constituição, moldando-a pelos genuínos princípios cristãos, e por atos oficiais consagrou a República ao Sagrado Coração de Jesus. “É preciso, po­rém, dizia ele neste ato, que o povo se puri­fique no Sangue divino, para que a oferenda seja digna”. Na última página de um livro da “Imitação” de que usava, achou-se escrito por seu punho: “Todas as manhãs, na oração, pedirei particularmente a virtude da humildade; assistirei à Missa, recitarei o ro­sário, e lerei um capítulo da “Imitação”… Farei duas vezes por dia o exame particular, e confessar-me-ei todas as semanas”. Nos dias de sua eleição, a esposa mostrou dese­jos de que oferecesse um banquete aos di­plomatas e ministros, e declarando ele que não gastaria com festas dessa ordem quando eram tantas as necessidades públicas, ela deu-lhe 500 piastras suas para esse fim; Moreno levou-as ao hospital, mandando que com a soma dessem melhor refeição aos pobres, e, de volta, informou-a do fato, dizendo: “Melhor do que desejava, apliquei teu dinheiro”. Garcia Moreno foi o único chefe de Estado que teve a coragem de pro­testar contra a ocupação de Roma pelo rei do Piemonte. Um alemão, professor da Es­cola Politécnica, ao voltar de visitá-lo em sua casa de campo, escreveu edificado que aí o vira com o maior recolhimento ajudar à Missa, diante de todo o povo do lugar. Foi ainda reeleito em 1873, mas a impiedade e o maçonismo, exasperados contra o seu governo cristão, trataram de matá-lo. Avi­sado várias vezes até do próprio dia que es­tava marcado para o assassinato, e aconse­lhado a se fazer seguir de uma escolta, não o quis, declarando que a última medida a tomar era a de ser pronto para ir à presença de Deus, feliz de morrer pela fé. No dia 6 de agosto de 1875, primeira sexta-feira do mês, assistiu à Missa e comungou na igreja de S. Domingos em Quito; a uma hora da tarde, se dirigiu para o palácio, entrando antes na catedral para adorar o SS. Sacramento ex­posto; à saída, os algozes o atacam de em­boscada, vibrando sucessivos golpes, e ele cai, exclamando: “Deus não morre!” Indig­nado contra o crime que o surpreendera, o povo castigou logo os principais assassinos; o congresso nacional, decretando o luto pú­blico, proclamava Garcia Moreno o regenerador da pátria e mártir da civilização cató­lica; e Pio IX, à notícia da grande perda, pranteava-a, dizendo à cristandade: “Cava­lheiro de Cristo, ele caiu vítima da fé e da caridade com a pátria!”  


Mês do Sagrado Coração de Jesus. Mons. Dr. José Basílio Pereira. Editora Mensageiro da Fé. Fortaleza. 1962. Fonte.    
1º DIA - DIA ANTERIOR - PRÓXIMO DIA

PRÉ-VENDA DO CALENDÁRIO 2018!!

PRÉ-VENDA DO CALENDÁRIO 2018!!
CLIQUE NA IMAGEM

Mãe do Salvador, rogai por nós!

Mãe do Salvador, rogai por nós!
Clique na imagem e reze o Terço

.


"Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém."

Postagens mais visitadas deste blog

Ladainha de Nossa Senhora ou de Loreto

LITANIÆ LAURETANÆ


Kyrie, eleison Christe, eleison Kyrie, eleison. Christe, audi nos. Christe, exaudi nos Pater de cælis, Deus, miserere nobis Fili, Redemptor mundi, Deus, miserere nobis Spiritus Sancte Deus, miserere nobis Sancta Trinitas, unus Deus, miserere nobis Sancta Maria, ora pro nobis Sancta Dei Genetrix, Sancta Virgo virginum, Mater Christi, Mater Ecclesiæ, Mater Divinæ gratiæ, Mater purissima, Mater castissima, Mater inviolata, Mater intemerata, Mater amabilis,. Mater admirabilis, Mater boni Consilii, Mater Creatoris, Mater Salvatoris, Virgo prudentissima, Virgo veneranda, Virgo prædicanda, Virgo potens, Virgo clemens, Virgo fidelis, Speculum iustitiæ, Sedes sapientiæ, Causa nostræ lætitiæ, Vas spirituale, Vas honorabile, Vas insigne devotionis, Rosa mystica, Turris Davidica, Turris eburnea, Domus aurea, Foederis arca, Ianua cæli, Stella matutina, Salus infirmorum, Refugium peccatorum, Consolatrix afflictorum, Auxilium Christianorum, Regina Angelorum, Regina Patriar…

Os benefícios de rezar pelas Almas do Purgatório

SIMPLES PENSAMENTOS SOBRE O PURGATÓRIO Os benefícios de rezar pelas Almas do Purgatório


REQUIEM AETERNAM DONA EIS, DOMINE;  ET LUX PERPETUA LUCEAT EIS.  REQUIESCANT IN PACE. AMEN

Existência do Purgatório
“... se os verdadeiros penitentes deixarem este mundo antes de terem satisfeito com frutos dignos de penitência pela ação ou omissão, suas almas são purgadas com penas purificatórias após a morte; e para serem aliviadas destas penas, lhes aproveitam os sufrágios dos fiéis vivos, tais como o sacrifício da missa, orações e esmolas, e outros ofícios de piedade que os fiéis costumam praticar por outros fiéis, segundo as instituições da Igreja” (Concílio de Florença, 1439).
O Concílio de Florença reafirmava o que dois outros Concílios antes dele haviam dito: os Concílios Ecumênicos de Lião I[1] e II[2], em 1245 e 1274, respectivamente. O mesmo foi reafirmado, depois, pelo Concílio de Trento[3] (de 1545 a 1563)[4].
“Aqueles que morrem na graça e na amizade de Deus, mas não são perfeitamente pur…

Orações Jaculatórias

ORAÇÕES JACULATÓRIAS
Jaculatórias são orações ou invocações muito curtas, mas, o mais ardente possível, que dirigimos a Deus, isoladamente ou nas orações, no começo ou final dessas, ou no final de cada dezena do Rosário. A qualquer momento podemos dirigir a Deus alguma oração jaculatória, dizendo tudo o que nos pode inspirar a fé, a esperança, a caridade e a contrição.

Chama-se jaculatória porque parece um jato (jaculum, em latim quer dizer jato) que lançamos para Deus do fundo de nosso coração.

A matéria dessas pequenas orações a encontramos:
- na ordem das coisas da natureza, para admirar, louvar e agradecer o poder, a sabedoria e a bondade de Deus;
- na ordem da graça, para admirar, louvar e agradecer o que Deus fez na Encarnação de Nosso Senhor, o que faz na Eucaristia e os outros sacramentos; enfim
- na ordem da glória, para admirar, louvar, agradecer a Deus pela glória de Nosso Senhor, da Santíssima Virgem e dos santos.

O Catecismo (São Pio X, 977) nos ensina que “quando nos vemos…

Informação

Este blog tem a modesta pretensão de divulgar somente orações CATÓLICAS, conforme a Santa Tradição da Igreja. Pedimos a caridade de nos informar eventual erro de digitação e/ou tradução, ou link quebrado (vejam o formulário no menu lateral). Gratos.

.